Site Autárquico São Brás de Alportel

À conversa com Gaya

Nesta edição damos a conhecer Gaya, mais um extraordinário exemplo da integração na comunidade de São Brás de Alportel

Gaya nasceu no sudeste da Polónia, perto da fronteira ucraniana, há 36 anos. Viveu nas maiores cidades do seu país e deu largas à sua paixão pela escrita, tendo trabalhado durante vários anos como jornalista, mas também como poeta e como escritora, e editora em vários locais. Há alguns anos, lançou-se numa aventura de viagens a solo que a levaram a morar por alguns períodos em Montereal, em Tel Aviv, na Escócia, numa ilha mexicana, nas Filipinas e até na selva peruana. Aventuras que a trouxeram até São Brás de Alportel onde vive há um ano, no Vale Galega que apelida de “pitoresco”.

Como conheceu São Brás de Alportel?

Vim cá com um amigo para conhecer um terreno que ele tinha herdado… e apaixonei-me, não só por este magnífico português assim como pelo Algarve e pela simpática vila de São Brás de Alportel.

Como é que a sua família e amigos aceitaram a decisão de ficar cá a morar?

Os meus amigos e a minha família sempre aceitam decisões que me fazem feliz e agora vêm cá visitar-nos com muito prazer.

Vive sozinha?

Vivo com o meu companheiro, alguns amigos que vão mudando de forma dinâmica e uma série de cães. Dois deles são meus.

Sente-se integrada na comunidade de São Brás de Alportel?

Sinto-me muito bem recebida pelos são-brasenses. Troco muito boas energias com eles. Espero ter a oportunidade de olhar mais profundamente nos seus olhos e trocar mais sorrisos. A minha maior dificuldade é a língua mas estou a aprender e acredito que em breve, deixará de ser um obstáculo. Uma coisa que guardo no meu coração são alguns episódios com os locais que não se mostraram recetivos aos meus cães super pacíficos. Acredito que os animais são uma extensão dos humanos e que quanto mais nos integramos com eles mais nos tornamos autênticos e naturais. Temos tanto para aprender com eles e às vezes algumas perspetivas não nos permitem perceber isso.

Está a desenvolver um projeto. O que nos pode revelar?

Eu e o meu parceiro sentimo-nos muito gratos por esta terra, que acreditamos, não nos chegou por mero acaso. Estamos convictos de que não é só para nós mas acima de tudo para ser partilhada com a comunidade local. O que no início era uma comuna baseada na cultura da permacultura, após muitas conversas, estudos e algumas dicas intuitivas tornou-se num projeto educacional que queremos desenvolver futuramente.

Entender as nossas necessidades e capacidades permitiu-nos projetar um projeto de natureza alternativa e orgânica, onde pessoas de todas as faixas etárias possam aprender o que sempre quiseram e compartilhar o que elas acumularam ao longo da experiência de vida. Nesse processo de intercâmbio inclusivo, todos desenvolvem dons naturais e autenticidade própria.

Em que atividades participa em São Brás de Alportel?

Eu gosto da vibração industrial do ginásio local que tem equipamento muito profissional e uma atmosfera amigável. Pratico yoga lá e convido todos a juntarem-se a mim. A piscina coberta

surpreendeu-me com a sua oferta e disponibilidade. Visito com frequência as novas exposições da Galeria Municipal e participo de eventos locais como feiras ou espetáculos. No futuro espero poder envolver-me em algumas atividades que me tocam de coração.

Do que gosta mais em São Brás de Alportel?

O que mais amo nos são-brasenses é a sua maneira de ser descontraída e humilde e a sua ligação com a terra e os produtos naturais. O mercado é incrível, lugar de troca de produtos de alta qualidade e o que o possa faltar ali podemos encontrar numa ervanária próxima. Penso que o mais delicioso buffet da vila deve fazer lá as suas compras! O Museu é um espaço que vale a pena mencionar. Tem uma equipa muito simpática e pronta a ajudar, não só com assuntos quotidianos mas também com os cães.

Que melhorias gostaria de sugerir?

Penso sempre que a vila é pequena o suficiente para que o tráfego seja totalmente retirado das ruas principais para o exterior. Poderíamos ter aqui alguns poucos “tuc-tucs” que levassem as pessoas ao redor. As ruas seriam para peões, crianças e animais. A integração humana floresceria e os benefícios para a saúde influenciariam o bem-estar.

Quando penso nos espaços verdes em torno da vila, penso que seria maravilhoso se houvesse hortas de frutas e verduras disponíveis para todos com produtos naturais e frescos. Basta apenas plantar as sementes no momento certo e podemos caminhar e ir lanchando ao redor da vila.

ENGLISH VERSION

Gaya was born in southeastern Poland, near the Ukrainian border, 36 years ago. She dedicated herself to her passion for writing, having worked for several years as a journalist, but also as a poet, as a writer and editor in several places. A few years ago, she embarked on a solo travel adventure that led her to live in many different places, such as: Montreal, Tel Aviv, Scotland, Mexican island, Philippines and even in the Peruvian jungle. Adventures that brought her to São Brás de Alportel where she has been living this last year, in the picturesque valley of Galega.

How did you meet São Brás de Alportel?

Gaya - I came here with a friend who inherited a land here to check it out and I felt in love, not only with this amazing Portuguese man but also with Algarve and sweet little town São Brás de Alportel.

Your family and friends accepted this decision to live in São Brás de Alportel?

Gaya -My friends and family always accept decisions that make me happy. Now they come and visit us with pleasure.

Do you live here alone?

Gaya- I live with my partner, few friends that are dynamically changing and a bunch of dogs, two of them are mine.

Do you feel integrated into the community?

Gaya – I feel very well received by São-Brasenses, I exchanged a lot of good energy with them. I hope I will get a chance to look deeply into more eyes and exchange more smiles. My biggest integration barrier is the language that I am learning at the moment so I believe that soon I will overcome this obstacle. The other thing that lays in my heart is few episodes with local people who reacted on my super peaceful dogs without acceptance. I believe that animals are extension of human beings and as much as we integrate with them we became more natural and authentic. We have so much to learn from them and only our short perspectives don’t allow us to see that.

You are developing a project. Can you explain it and why do you want to do it here?

Gaya- Me and my partner feel very grateful for this land that, as we believe, came to us not by chance. We are also deeply convinced that is not only for us but mostly to be shared with local communities. What was at the beginning commune based permaculture project, after lots of talks, studies and intuition hints, became an educational project that we want to develop in the future. Understanding our needs and skills allowed us to design alternative and organic in its nature project where people of all age groups can learn what they always wanted to and share what they have gathered through life experience. In this process of inclusive exchange everybody grows developing natural gifts and own authenticity.

What activities do you take part here?

Gaya- I enjoy the industrial vibe of local gym that has very professional equipment and friendly atmosphere. I practice yoga there and I invite everybody to join me. Indoor swimming pool amazes me with its offer and availability at all times. I always check new expositions in the gallery at the Main Street and take part in local events like fairs or concerts. I wish that in the future I can be more involved in some of the activities that are closer to my heart.

What do you like the best about São Brás de Alportel and what you like the least?

Gaya- What I love about são-brasenses is their laid back characters, the humbleness and connection to land and natural products.

The market is amazing place of exchange high quality products and what is missing there you can always find in the herb shop nearby. I guess the most delicious buffet in town is doing its shopping there! The Museum is also worth mentioning as the crew is very helpful and friendly not only with town subjects but also with the dogs.

What kind of improvements would you like to suggest?

Gaya - As for improvements, I am always thinking that the town is small enough for the traffic to be totally taken out of the main streets to the outside. We could have here few “tuctucs” that drive people around. The streets would be for pedestrians, children and animals, the human integration would flourish and health benefits influence wellbeing. I was also thinking about all of those green spaces in and around the town. Wouldn’t it be wonderful if there are fruits and vegetables gardens available for everybody with the fresh healthy natural products? It’s just about planting seeds in the right moment and we could all walk and snack around the town.

São Brás de Alportel, novembro de 2018

Este espaço resulta da colaboração do Centro Local de Apoio à Integração de Migrantes, integrado no Centro de Apoio à Comunidade do Município de São Brás de Alportel