Site Autárquico São Brás de Alportel

À conversa com Gordon Railton

Este mês, estivemos à conversa er Gordon Railton, mais um bom exemplo de integração na comunidade de São Brás de Alportel.

Gordon Railton nasceu em Newcastle-Upom-Tybe, na Inglaterra, em 1940, em plena II Guerra Mundial. Na sua vida profissional destacou-se na área da fotografia. Aliás, o “bichinho” da fotografia foi-lhe incutido pelo pai, que enquanto fotógrafo amador o ensinou a revelar fotografias no quarto escuro. Gordon tinha então 13 anos e um ano mais tarde ganhou uma competição fotográfica na escola!

Apenas com 16 anos, deixou a escola e começou já a trabalhar como aprendiz de fotógrafo em Newcastle, no Laboratório Científico de uma companhia de engenharia. Ali trabalhou até aos 21 anos. Entretanto experimentou outros trabalhos em áreas diversas. inclusivamente integrou a banda de covers(sucessos) “The Delemeres”, em Liverpool. A banda teve um sucesso considerável e Gordon conta que em determinada altura chegaram a partilhar camarim com os grandes “The Beatles”!

Após deixar a banda, Gordon dedica-se novamente à fotografia. “Fui jornalista e fotógrafo de publicidade. Fui requisitado por várias multinacionais e também pelo Gabinete Oficial de Informações do Reino Unido para fazer a cobertura no Norte de Inglaterra, fiz a cobertura da Família Real, do “Variety Club” da Grã-Bretanha” e trabalhou ainda com Ministros do Estado, desenvolvendo ainda outros trabalhos estatais. “Fotografei imensas pessoas famosas, incluindo músicos e desportistas”, conta.

Aos 36 anos, já casado e com dois filhos, cria o seu próprio negócio de Comunicação e Publicidade. “Fui um homem de sorte. Estive nos sítios certos, no momento certo”, segundo palavras suas, o que diz dever-se aos fotógrafos com quem trabalhou e aprendeu, admitindo que nos primeiros tempos sentia o enorme peso da responsabilidade de conseguir boas fotografias de tão famosas personalidades, numa época em que as máquinas fotográficas ainda tinham rolo e não dava para perceber se era preciso repetir a fotografia. Com um currículo admirável, Gordon foi ainda professor de fotografia na Faculdade de Arte de Sunderland.

Após essa reforma, Gordon marca uma viagem para o Algarve com estadias em hotéis em Vilamoura, Albufeira e Tavira. Chegou em janeiro mas diz que percebeu que aqueles locais não eram o local onde queria viver porque no inverno eram como cidades fantasmas e logo conseguia perceber a agitação que tinham no verão.

Entretanto, um amigo convida-o a vir até sua casa em São Brás de Alportel. “São Brás de Alportel arrebatou o meu coração. É a joia da coroa”, vinca garantindo que “nunca conheci tanta gente boa e de tantas nacionalidades!”.

Gordon comprou então um apartamento na vila e mudou-se de “malas e bagagens” para São Brás de Alportel. Entretanto, decidiu mudar-se para uma casa térrea perto do Museu do Traje, local que visita regularmente, uma vez que é a sede do Grupo de Fotógrafos do Algarve, grupo que ajudou a fundar e que atualmente já conta com mais de seis dezenas de associados de várias nacionalidades! Através deste grupo continua a alimentar o seu gosto pela fotografia.

Multimédia0

O gosto pela música mantem-se e já tocou em várias bandas no Algarve. Em 2019, tocou na noite de solidariedade “Bombeiro’s Boggie Night” para ajudar a angariar fundos para a Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de São Brás de Alportel. Aliás, já em 2018, apresentou a exposição fotográfica “As experiências de Gordon em Portugal” na Galeria Municipal de São Brás de Alportel cujas receitas reverteram a favor dos Bombeiros, uma causa que lhe é querida e que lhe foi apresentada pelo seu amigo Alex Barcia, provedor do residente estrangeiro em São Brás de Alportel.

Atualmente, tem uma nova banda com dois franceses e um alemão.

Passados 15 anos, confessa que não conseguiu ainda aprender a falar português, mas esse não tem sido um contratempo porque diz que quando vai às compras os funcionários mais jovens falam inglês e quando não sabem, aponta para o que quer! Aliás, uma das coisas que aprecia por cá é o facto de as pessoas serem tratadas da mesma forma independentemente do poder económico ou estatuto social/profissional.

Gordon mostra-se já conhecedor de partes da história de São Brás de Alportel, como é o caso da origem da Festa das Tochas Floridas. “Acho fascinante”, sublinha recordando que foi com muito gosto que tirou fotografias durante as comemorações do Centenário do concelho. “Foi fabuloso”.