Site Autárquico São Brás de Alportel

As Plantas

  • Orquídea

    A partir do mês de março e até maio é possível observar inúmeras espécies de orquídeas no Algarve.
    Apesar de menos rica em termo de espécies quando comparada com o Barrocal, a Serra Algarvia apresenta também as suas especialidades. Se no Barrocal Algarvio estão registadas 31 espécies de orquídeas, na zona serrana estão somente confirmadas, 12 espécies.

    Na Estação da Biodiversidade da Ribeira do Alportel podem ser observadas 5 espécies de orquídeas, contudo poderão existir, ainda, algumas espécies por descobrir.
    Nas zonas pedregosas das clareiras dos estevais podem ser vistas as duas formas de Erva-do-salepo (Orchis morio e Orchis champagneuxii), as quais chamam a atenção pela sua floração densa e arroxeada.

    Nas zonas de solos mais frescos, ocorrem populações numerosas de Erva-lingua (Serapias lingua). Mais localizadas, surge a Serapias parviflora em solos húmidos próximos da ribeira do Alportel e a única população de Ophrys tenthredinifera, junto do pontão que atravessa a ribeira em direção à Tareja.

    As populações de orquídeas encontram-se ainda mal estudadas na Serra Algarvia, sendo muito provável que ocorram na zona da Estação da Biodiversidade ou na sua envolvente, espécies como a rara e protegida Spirantes aestivalis ou a Epipactis lusitanica.

  • Aipo
    Aipo

    Nome Comum: Aipo
    Nome Científico: Apium graveolens

    O aipo é uma planta aromática comestível da família das Umbelíferas. O seu nome em latim – Apium graveolens - quer dizer “fortemente aromática”. As variedades cultivadas: aipo-hortense e aipo-nabo derivam, por selecção, do aipo-bravo. Esta variedade é originária da região mediterrânica, onde cresce no seu estado selvagem. O aipo era conhecido e consumido em abundância na Roma antiga pelas suas
    presumíveis propriedades afrodisíacas. As suas qualidades diuréticas foram reconhecidas pela maior parte dos autores antigos e nos séculos XVII e XIX, já Cartheusel e Gazin descreviam os seus efeitos benéficos. O aipo é uma planta anual ou bienal que atinge uma altura entre os 30 e os 100
    centímetros. As suas flores surgem entre Julho e Setembro e todas as partes são comestíveis, quer as raízes, como as folhas, os talos e as sementes. Trata-se de uma planta rica nas vitaminas A, B e C, que contém sódio, fósforo,
    potássio, cálcio e sílica. Deve ser consumido de preferência cru - cortado em cubos, palitos ou fatias -, em saladas, sandes ou com certos queijos. Cozido confere um aroma agradável às sopas, aos guisados, aos molhos, às omeletas e
    ao arroz. Alguns problemas de saúde que podem beneficiar com o aipo são o colesterol elevado, o edema das pernas, a depressão e o nervosismo, úlceras e feridas, frigidez e doenças do fígado, dos rins e da bexiga.


    Sabia que...
    …o sumo do aipo tem fama de curar as frieiras mais graves? E que é um dos ingredientes do cocktail Bloody Mary?

  • Alecrim
    Alecrim

    Nome Comum: Alecrim ou Rosmaninho
    Nome Científico: Rosmarinus officinalis

    Este arbusto da família das Labiadas pode atingir até 2 m de altura. O nome do seu género, Rosmarinus, significa “orvalho do mar” em latim, aludindo ao característico odor desta aromática. A sua distribuição mundial restringe-se à
    Região Mediterrânica. Em Portugal distribui-se pelo Centro e Sul, Douro e Nordeste, Açores e Madeira. Habita principalmente os matos secos, em zonas
    quentes. No Algarve é um arbusto típico dos sítios mais secos e ensolarados do Barrocal e surge muitas vezes em encostas pedregosas e desertificadas. As folhas do alecrim são usadas secas, inteiras ou esmagadas, como condimento para sopas, molhos, guisados e assados de carne. Popularmente o chá de alecrim é usado para estimular o apetite, como tónico geral do organismo e para benefício do fígado e dos rins. Das folhas do alecrim extraise um óleo que tem aplicação em desodorizantes, champôs, sabões e cremes; enquanto as flores são utilizadas pelas abelhas na produção de mel de
    excelente qualidade.


    Sabia que...
    Sugestão Natureza: Infusão de alecrim
    Uma infusão de alecrim faz-se com 4 gramas de folhas
    por uma chávena de água a ferver. Toma-se depois das refeições.

  • Alfarrobeira - Figueira-do-Egipto
    Alfarrobeira - Figueira-do-Egipto

    Nome Comum: Alfarrobeira; Figueira-do-Egipto
    Nome Científico: Ceratonia siliqua L.

    No mês em que se comemora o Dia Mundial da Árvore e da Floresta elegemos uma moradora muito especial: alfarrobeira, a árvore mais emblemática do importante pomar de sequeiro, que abunda nesta zona, o Barrocal.
    A alfarrobeira é uma árvore da Família Leguminosae. Apesar de se dar aqui muito bem os botânicos duvidam que seja autóctone na Península Ibérica. A alfarrobeira terá sido trazida da Ásia Menor pelos gregos. Na origem da sua proliferação ao Norte de África, Espanha e Portugal terão estado os árabes. Atualmente é subespontânea em Portugal e em outras zonas de clima temperado. No Algarve esta árvore abunda no Barrocal pois é muito resistente à secura e prefere solos calcários, ambas características desta zona e pode atingir até 10 m de altura.

    As flores surgem desde o Verão até ao Outono sobre o tronco e os ramos. Por vezes são hermafroditas. Frequentemente possuem um único sexo, crescendo, neste caso, em árvores separadas.

    O fruto alfarroba (ou fava-rica) é uma vagem carnuda, com 10-25 cm de comprimento, mais ou menos curva. A princípio tem cor verde mas, depois de madura (cerca de um ano depois da floração), adquire um tom castanho-escuro, quase negro. Cada alfarroba encerra 5-18 sementes castanhas, separadas por uma polpa açucarada. As sementes representam apenas 10% da vagem!

    A madeira de alfarrobeira, muito dura, avermelhada e brilhante, emprega-se no fabrico de móveis e carroças. Outrora era usada para fazer os engenhos de moinhos e noras.

    A polpa de alfarroba é usada para fazer ração de animais e também para o fabrico de deliciosos doces. E os de São Brás têm merecida fama!

    Da semente da alfarroba extrai-se a goma que tem múltiplas utilizações nas indústrias alimentar, farmacêutica, têxtil e cosmética.


    Sabia que...

    …diz-se que, por cada semente de alfarroba ter um peso fixo, que oscila entre os 189 e os 205 mg, está na origem do quilate (unidade de avaliação do teor de ouro numa liga metálica e de pesagem de pedras preciosas que corresponde a 200mg), palavra que deriva do grego kerátion, ou meia-lua (a que se assemelham as vagens), de que se formou Ceratonia.

    A polpa da alfarroba é constituída por 48-56% de açúcar, 18% de fibra, 0,2-0,6% de gordura, 4,5% de proteína e elevado teor de cálcio (352mg/100g) e de fósforo.

  • Alho
    Alho

    Nome Comum: Alho
    Nome Científico: Allium sativum

    Neste mês já é possível cortar na horta a “rama” do alho para dar sabor às favas!

    Esta espécie é uma planta de cultivo milenar oriunda do Oriente e da Europa Meridional. Segundo alguns historiadores, os egípcios consumiam alho em abundância e utilizavam-no também na composição de vários medicamentos. Trata-se de uma planta perene cujo bulbo – “cabeça de alho” - é composto por folhas escamiformes conhecidas por “dentes de alho”. Tanto as folhas quanto a rama são comestíveis, por isso são usados para temperar, e também para fins medicinais.

    O alho tem um ótimo valor nutricional pois possui hidratos de carbono, gorduras, proteínas, vitaminas (A, B2, B6, C, entre outras), e sais minerais (ferro, silício e iodo).

    Os povos mediterrânicos são os mais apreciadores do alho, empregando-o, geralmente, em conjunto com o tomate e a cebola. Outros povos, menos apreciadores, chamam esta planta de “rosa fétida” devido ao seu odor forte e picante.

    Sabia que...

    … o hálito característico, e geralmente considerado desagradável, de quem comeu alho pode ser minimizado se se ingerir também salsa fresca?

    … quando se consome alho em quantidades elevadas o seu odor pode tornar-se evidente no suor?

    … nos Estados Unidos da América existe um restaurante temático onde a maior parte do que é confecionado é temperado com alho! Têm um vinho e até sorvete com sabor a alho!

  • Amendoeira
    Amendoeira

    Nome Comum: Amendoeira
    Nome Científico: Prunus dulcis

    Esta é uma árvore da família Rosaceae que geralmente não tem mais de 8m de altura mas, em boas condições de solo, pode ultrapassar os 10m. Trata-se de uma árvore originária da Ásia Central e do Norte da África, trazida pelos árabes para o Algarve e constituindo hoje uma das espécies mais típicas da paisagem do Barrocal, dado adaptar-se bem a solos secos e pedregosos.

    Esta árvore de folha caduca tem flores brancas ou rosadas que nascem sobre os ramos nus da árvore de Janeiro a Março. O seu fruto é uma drupa com 3,5 - 6 cm de comprimento de cor acinzentada. No decorrer do amadurecimento, que se prolonga por cerca de 8 meses, o mesocarpo vai secando e acaba por abrir, libertando o caroço, constituído eplo endocarpo lenhoso (casca) e pela semente (amêndoa). A amêndoa colhe-se em Agosto ou Setembro.

    A madeira de amendoeira, de cor avermelhada, é muito dura e aproveita-se principalmente como combustível. Também as cascas da amêndoa são usadas como combustível. As amêndoas são consumidas cruas, torradas ou fritas. Entram também na confeção de uma grande variedade de doces. O óleo de amêndoas doces é muito utilizado em cosméticos e perfumaria.

    Sabia que...

    Uma parte das amêndoas tem sabor amargo por conter amigdalina? Esta substância transforma-se em ácido cianídrico, um veneno muito forte. Por esta razão deve-se evitar o consumo de amêndoas amargas.

  • Aveia Comum
    Aveia Comum

    Nome Comum: Aveia Comum
    Nome Científico: Avena Sativa

    Esta planta herbácea é da família das Gramíneas e do género Avena. É uma planta anual, com flores dispostas em panícula. Tem espiguetas compridas, cada uma com duas glumas. O seu fruto, o grão de aveia, é uma cariopse – fruto proveniente de um gineceu monocarpelar e uniovulado que possui uma semente aderente ao pericarpo. O caule desta espécie é ereto e glabro, com um comprimento entre os 40 e os 180 cm.

    No nosso país a aveia é semeada no outono, floresce entre maio e junho e está pronta a ser ceifada também neste último mês.

    A aveia é cultivada pelo valor dos seus grãos, que são usados na alimentação humana e de vários animais, e também para obter forragem.

    Este cereal é muito nutritivo pois possui cálcio, ferro, proteínas, além de vitaminas, hidratos de carbono e fibras. A fibra presente na aveia é do tipo solúvel, a qual tem um alto poder benéfico nomeadamente ao nível do funcionamento intestinal, da diminuição do colesterol total e LDL-colesterol e manutenção de níveis saudáveis destes. O farelo de aveia é onde se encontra a maior quantidade de fibra solúvel, seguido dos flocos e farinha de aveia. O consumo de aveia está também associado ao controle do açúcar no sangue e da pressão arterial.
    A aveia possui glúten na sua composição pelo que não pode ser ingerida por portadores da doença celíaca.

    Sabia que...

    …para os que desejam emagrecer a aveia também é um excelente alimento pois, uma vez que retarda o esvaziamento gástrico, provoca uma maior saciedade, diminuindo, assim, o apetite.

    Alguns estudos sugerem que o consumo do equivalente a meio copo de aveia, por dia, pode ser benéfico para quem tem os níveis alterados de colesterol.

  • Azinheira
    Azinheira

    Nome Comum: Azinheira
    Nome Científico: Quercus rotundifolia L.

    Árvore da família fagaceae, a azinheira é natural do barrocal e da serra algarvios. Outrora a azinheira cobria grande parte do barrocal porém, o homem substituiu-a por outras espécies mais rentáveis – como a alfarrobeira, a oliveira e a amendoeira. No entanto, em locais de maior declive, e menos acessíveis, ainda existem, no barrocal, alguns azinhais.
    A azinheira tem copa densa, ampla e arredondada e pode atingir 25 m de altura. É uma árvore que resiste bem ao calor e à secura sendo pouco exigente quanto ao tipo de solo. Floresce entre Março e Junho, possuindo flores masculinas e flores femininas.

    O fruto desta árvore chama-se bolota. A bolota só amadurece no Outono do ano seguinte à respetiva floração, é uma glande ovóide que possui uma cúpula acinzentada, em forma de dedal.


    Sabia que...


    … Em São Brás de Alportel existe uma azinheira centenária classificada como de “Interesse Público” desde 1942!
    Esta excecional árvore tem cerca de 12 m de altura, 4,30 m de perímetro à altura do peito e cerca de 25 m de diâmetro máximo de copa!

    Visite o Parque da Azinheira e desfrute da companhia deste extraordinário exemplar da nossa flora!

  • Centeio
    Centeio

    Nome Comum: Centeio
    Nome Científico: Secale cereale

    Esta planta herbácea anual é, provavelmente, originária da Ásia Menor e espalhou-se pela Europa na Idade da Pedra.
    A floração ocorre entre abril e junho, as suas flores são pequenas, agrupadas em espigas simples e lineares, adaptadas à polinização pelo vento. O fruto é uma cariopse escura, oblonha e livre.
    O centeio é cultivado como cereal, muito usado na panificação, pois o pão de centeio é muito nutritivo; e ainda para forragem, como ração e para produção de cerveja, de alguns tipos de whisky e de grande parte das vodkas. Esta é uma planta muito tolerante com a acidez dos terrenos e ambientada a condições de seca e frio do que o trigo. Em Portugal é cultivada nas zonas pobres de Trás-os-Montes, Beiras e Alentejo.

    Sabia que...?!
    A palha de centeio já teve várias aplicações: era usada nos colchões de famílias pobres e para fazer coberturas de celeiros, servia de tocha para alumiar de noite e era aplicada também para chamuscar os porcos, após a sua matança.

  • Coentro
    Coentro

    Nome Comum: Coentro
    Nome Científico: Coriandrum sativum L.

    O nome desta planta aromática deriva da palavra grega “koris”, que significa percevejo mal-cheiroso, uma vez que tem um odor intenso outrora não apreciado. Oriundo do Sudoeste da Europa, é cultivado há mais de 3000 anos, conforme atestam achados que revelam que as suas sementes foram encontradas em túmulos dos faraós egípcios e nas ruínas gregas da Idade do Bronze!
    Trata-se de uma herbácea anual com 20-80 cm de altura, com flores brancas ou rosáceas, que surgem na Primavera ou no Verão. As folhas são a parte da planta mais usada na alimentação humana, para lhe dar sabor, mas também as sementes e as raízes são comestíveis.


    Sabia que...
    …os herbalistas europeus cultivavam esta erva por acreditarem que ela estimulava a paixão?

  • Couve-Galega
    Couve-Galega

    Nome Comum: Couve-Galega
    Nome Científico: Brassica oleracea

    A couve-galega pertence à família Brassicaceae, à qual também pertencem o nabo e a mostarda. Trata-se de uma planta originária da costa ocidental europeia. É rica em vitamina C, A, cálcio e beta-caroteno, além de ter alto teor de antocianinas e fibras.
    É uma espécie exigente pelo que não deve ser semeada ou plantada no mesmo solo duas vezes seguidas. Na horta pode ser associada com outras espécies tais como o tomateiro e as alfaces, contudo não convém plantar perto cebolas, alho, alho-francês ou morangueiros.
    Os portugueses são dos maiores apreciadores mundiais de brássicas. Entre muitas outras aplicações a couve-galega é utilizada para fazer a sopa de caldo-verde, uma das mais populares e típicas sopas portuguesas de fácil preparação.


    Sabia que...
    … bordaduras de hortelã e chagas à volta de uma plantação de couves são benéficas pois afastam insectos que podem prejudicar estas plantas?

    Nome Comum: Couve-Galega
    Nome Científico: Brassica oleracea

    Couve-Galega

    A couve-galega pertence à família Brassicaceae, à qual também pertencem o nabo e a mostarda. Trata-se de uma planta originária da costa ocidental europeia. É rica em vitamina C, A, cálcio e beta-caroteno, além de ter alto teor de antocianinas e fibras. 
    É uma espécie exigente pelo que não deve ser semeada ou plantada no mesmo solo duas vezes seguidas. Na horta pode ser associada com outras espécies tais como o tomateiro e as alfaces, contudo não convém plantar perto cebolas, alho, alho-francês ou morangueiros. 
    Os portugueses são dos maiores apreciadores mundiais de brássicas. Entre muitas outras aplicações a couve-galega é utilizada para fazer a sopa de caldo-verde, uma das mais populares e típicas sopas portuguesas de fácil preparação. 


    Sabia que...
    … bordaduras de hortelã e chagas à volta de uma plantação de couves são benéficas pois afastam insectos que podem prejudicar estas plantas?

  • Faveira
    Faveira

    Nome Comum: Faveira
    Nome Científico: Vicia Faba

    A fava ou faveira é uma planta herbácea, anual, da família das Leguminosas, cuja origem é desconhecida, sendo certo que é cultivada desde tempos imemoriais na Europa e na Região Mediterrânica, encontrando-se na actualidade espalhada por todos os continentes. Os frutos da faveira são
    vagens ou legumes, um pouco pubescentes, contendo 2 a 10 sementes (as favas), inicialmente de cor verde e acastanhadas a castanho-escuras quando maduras. As vagens colhem-se geralmente quando estão verdes mas também se deixam muitas vezes amadurecer, quer para uso na culinária quer para semente. Quando maduro este legume é muito nutritivo pois é rico em proteínas e hidratos de carbono.

    Tal como outras leguminosas, a faveira tem o mérito de enriquecer o solo em que é cultivada. Por isso, depois de colhidas as vagens, a planta é enterrada como adubo ou dada ao gado. A variedade fava-miúda é mesmo frequentemente utilizada como cultura intercalar para adubação verde.


    Sabia que...
    …a expressão “são favas contadas” se deve ao facto das favas, em tempos idos, terem sido usadas nos processos de votação? Os eleitores favoráveis depositavam na urna favas brancas, e os contrários, favas pretas. O vencedor era aquele que obtivesse o maior número de favas brancas!

  • Feijoeiro comum
    Feijoeiro comum

    Nome comum: Feijoeiro
    Nome científico: Phaseolus vulgaris L.

    O feijoeiro é uma planta nativa do continente americano que foi introduzida na Europa no século XVI, na época dos descobrimentos. Esta espécie chegou a Portugal pouco depois da sua introdução na Europa, constituindo ainda hoje um alimento importante da nossa gastronomia.

    Esta planta herbácea anual, pertencente à família Fabaceae (à qual também pertence a alfarrobeira!). O feijoeiro prospera em diferentes tipos de terreno mas prefere os solos areno-argilosos com boa drenagem.

    O fruto do feijoeiro é a vagem. As sementes – os feijões – desenvolvem-se dentro das vagens, em número e forma variáveis. O feijão proporciona diversos nutrientes, tais como proteínas, ferro, cálcio, vitaminas (principalmente do complexo B), hidratos de carbono e fibras. Em Portugal a semente desta leguminosa é a base de várias sopas e da feijoada, sendo ainda usado na pastelaria – o pastel de feijão. As vagens verdes (feijão verde) são usadas nas sopas ou cozidas, como acompanhamento.

    Recentes estudos revelam os benefícios do feijão na diminuição do desenvolvimento de doenças tais como diabetes, obesidade, doenças cardiovasculares ou neoplasias.


    Sabia que...
    ... Uma concha de feijão cozido com caldo apresenta menos calorias do que uma maçã média!

  • Figueira
    Figueira

    Nome Comum: Figueira
    Nome Científico: Ficus carica

    Esta espécie pode ter porte arbustivo ou arbóreo atingindo, no máximo, cerca de 6 – 8 m de altura. A sua folha, palmatilobada, é caduca. Algumas variedades de figueira são hermafroditas (cada árvore possui, simultaneamente, flores femininas e flores masculinas) enquanto outras variedades possuem árvores dióicas (cada uma dessas árvores tem só flores femininas ou só flores masculinas). As flores, que são unissexuadas, são numerosas e pequenas e encontram-se encerradas no interior de um recetáculo carnudo em forma de pera – o figo (ou sícono) - aberto para o exterior através de um orifício. Nas variedades hermafroditas as flores masculinas dispõem-se em volta desse orifício, as flores femininas revestem a área restante do recetáculo. As variedades hermafroditas são autoférteis, as dióicas, porém, necessitam da intervenção de um agente de polinização: a pequena vespa da espécie Blastophaga grossorum.
    O fruto da figueira não é o figo! As grainhas do figo é que são os frutos (ou aquénios) desta árvore! Alguns figos amadurecem na primavera – os lampos, outros amadurecem no final do verão – os vindimos.

    Sabia que...
    …o figo é muito apreciado, quer seja para ser comido fresco, em passa (simples, cheio com amêndoa, no famoso “queijo de figo”, em gelados, em compotas…), ou na  preparação da “aguardente de figo”, e a sua procura está em fase crescente o que valoriza a cultura desta árvore típica do pomar de sequeiro do Barrocal algarvio.

  • Lentilheira
    Lentilheira

    Nome Comum: Lentilheira
    Nome Científico: Lens Culinaris

    A planta Lens culinaris dá a semente que designamos por lentilha e que usamos na nossa alimentação. Esta é um dos mais antigos legumes secos, frequentemente mencionado na Bíblia. Inexistente no estado espontâneo, esta lentilheira foi obtida pelos agricultores neolíticos através da selecção de lentilheiras bravas, que erm abundantes na flora mediterrânica e na da Ásia ocidental. As espécies Lens nigricans (nome comum: lentilha-brava), Lemna gibba (nome comum: lentilha-de-água-maior) e Lemna minor (nome comum: lentilha-de-água) são lentilheiras espontâneas no Algarve e noutras regiões de Portugal.

    A espécie Lens culinaris é uma planta herbácea, anual, da família das Leguminosas, que atinge, normalmente, cerca de 40 cm de altura. O fruto desta trepadeira é uma vagem glabra que contém uma ou duas sementes discóides, as lentilhas que podem ser castanhas, verdesou de cor alaranjada conforme a variedade e têm um sabor semelhante ao das nozes. O seu elevado valor nutritivo - são ricas em fósforo, ferro e vitaminas do grupo B e pobres em gordura – faz das lentilhas um alimento benéfico para mulheres grávidas e pessoas que sofram de anemia, prisão de ventre, diabetes e colesterol elevado.
    A lentilheira pode também ser usada como adubo verde, ou seja, como enriquecedora do solo.

    Sabia que...
    … a palavra “lente” vem de “lentilha” devido à semelhança entre o formato deste objecto óptico e o da leguminosa?
    …em alguns países, tais como o Brasil, o Chile e a Venezuela, é hábito comer-se lentilhas na passagem do ano pois crê-se que estas, que são circulares e achatadas como moedas, atraem boa sorte no âmbito financeiro?

  • Linho
    Linho

    Nome Comum: Linho
    Nome Científico: Linum usitatissimum

    O linho que actualmente se cultiva (Linum usitatissimum L.) resultou, provavelmente, do melhoramento do linho espontâneo, que é uma planta mediterrânica vivaz. Segundo os registos arqueológicos, a cultura do linho é feita no Médio Oriente desde há 9.000 anos. Achados arqueológicos provam o seu uso no Algarve em 2500 a.C.!
    A espécie que hoje cultivamos é uma planta herbácea anual pertencente à família das lináceas. Geralmente tem unicaule com 30 a 100 cm de altura, as suas folhas são lineares, as flores azuis e os frutos formam cápsulas com cerca de 8-10 mm, em cujo interior existem sementes lisas e achatadas – a linhaça. O uso desta planta para aproveitamento têxtil deve-se ao facto do seu caule possuir um feixe de fibras longas.
    A linhaça é também aproveitada, com mais valias para a saúde, dado tratar-se da única semente vegetal com mais ómega 3 que ómega 6. Esta semente era um dos ingredientes do “pão grego” que os Romanos comiam! Actualmente,
    nos países nórdicos, é usada em farinhas para a confecção do pão. A partir desta semente, obtém-se o óleo de linhaça que é usado em culinária e que a par do azeite, é uma gordura mais saudável do que os óleos de girassol, soja ou milho.


    Sabia que...?
    …no Antigo Egipto embrulhavam-se as múmias com panos de linho? …segundo as conclusões de um estudo recente a ingestão diária de 30 g de linhaça moída abrandou o crescimento de tumores da próstata?

  • Manjericão
    Manjericão

    Nome Comum: Manjericão
    Nome Científico: Ocimum basilicum

    O manjericão é uma planta aromática cujas folhas são usadas como tempero em diferentes tipos de comida. Nativa da Índia, onde é cultivada quase como planta sagrada, apresenta-se em mais de 60 variedades que diferem entre si na aparência e no sabor.

    Vitamina K, ferro, cálcio, vitamina A, fibras, manganésio, magnésio, vitamina C e potássio são alguns dos principais nutrientes que entram na constituição desta planta.

    O manjericão tem influência positiva sobre os espasmos digestivos, as inflamações, o sistema cardiovascular e a dor de cabeça associada a má digestão. É também usado como um repelente natural de insectos.

    O manjericão é ideal para saladas, pratos de massa e molhos à base de tomate, constituindo um dos segredos da tão apreciada cozinha italiana.


    Sabia que...

    ...o manjericão tornou-se uma das ervas culinárias mais conhecidas por entrar na composição do pesto, uma mistura de manjericão, pinhões e queijo parmesão de origem italiana?

  • Nespereira
    Nespereira

    Nome Comum: Nespereira
    Nome Científico: Eriobotrya japonica


    Esta árvore da família Rosaceae, que é natural da China e do Japão, pode atingir até 15 m de altura, tem folha persistente, flores brancas, muitas vezes obscurecidas por densa pubescência castanha, e um fruto carnudo e doce - a nêspera - com uma ou mais sementes. A nespereira floresce no outono e inverno e frutifica no final do inverno/início da primavera.

    No nosso concelho esta árvore existe principalmente na zona calcária – o Barrocal – mas também podemos encontrá-la na zona dos xistos e grauvaques – a Serra. Ela tem algum uso como árvore ornamental mas a principal razão da sua importância deve-se ao facto do fruto ser muito apreciado.
    A nêspera come-se fresca, a sua polpa é também usada para confecionar excelentes compotas e as sementes na produção de licores.

    Sabia que...
    …na medicina caseira usam-se as nêsperas como diuréticas e, em cozimento com açúcar, para combater as diarreias? (o que está associado ao teor em tanino e pectina da sua polpa)

  • Marmeleiro
    Marmeleiro

    Nome Comum: Marmeleiro
    Nome Científico: Cydonia oblonga

    O marmeleiro é o único membro do género Cydonia, uma planta que pertence à família das rosáceas. Esta árvore é originária da Ásia Menor e Sudeste da Europa. Tem porte médio – 3 a 6 metros de altura, folhas caducas, sistema radicular superficial e fasciculado, tronco tortuoso e copa arredondada.

    O marmelo é o fruto desta árvore, que amadurece no Outono. São frutos grandes e amarelos, muito aromáticos.
    Esta árvore é uma das mais úteis do ponto de vista medicinal, segundo os indianos. Todas as suas partes têm sido usadas pela medicina tradicional ao longo dos tempos: os ramos, a casca, a raiz, as folhas e os frutos, em todos os estádios de maturação. Algumas das propriedades que lhe são atribuídas: reconstrução da pele, laxante, diurético, estimulante do apetite e anti-escorbutico.

    Outras aplicações: a polpa do marmelo tem sido usada para lavar roupa devido à sua acção de detergente, das flores de marmeleiro extrai-se uma colónia, a sua madeira é muito aromática quando recentemente cortada, é dura mas não muito durável, assim, é usada em esculturas e para fazer cabos de ferramentas e facas, pilões e pentes.

    Sabia que...

    …na Índia o marmeleiro é cultivado nos jardins dos templos devido ao seu estatuto de árvore sagrada!

    … a varinha de marmeleiro era usada como instrumento de punição!

  • Orégãos
    Orégãos

    Nome Comum: Orégãos
    Nome Científico: Origanum vulgare L.

    Esta é uma planta aromática autóctone na nossa região, que ocorre na Serra e no Barrocal. Trata-se de uma erva perene e aromática que floresce de Julho a Setembro e pode atingir os 60cm de altura.

    Para além de ser usada como erva culinária, é também usada na medicina e desde há vários séculos na indústria farmacêutica e ainda cosmética, para além de estar presente em bebidas alcoólicas e na perfumaria!
    As suas folhas, frescas ou secas, são usadas na culinária devido ao seu sabor e aroma. São um ingrediente imprescindível na culinária italiana onde são utilizadas em molhos de tomate, vegetais refogados, carne e na pizza. Em Portugal são indespensáveis na confecção de salada de tomate, nos pratos de peixe, nas caldeiradas e até nos caracóis.

    Esta planta tem uma elevada actividade antioxidante, devido à presença de ácido fenólico e flavonóides. O seu óleo essencial tem também propriedades antimicrobianas contra bactérias como a Listeria monocytogenes, o que faz com que ajude a preservar os alimentos!

  • Parreira / Videira
    Parreira / Videira

    Nome Comum: Parreira / Videira
    Nome Científico: Vitis vinifera L.

    A parreira, designação pela qual é mais conhecida esta planta no nosso concelho, é uma das espécies da família Vitaceae. Trata-se da parreira mais frequentemente usada na Europa para a produção de vinho. É uma trepadeira com tronco retorcido, ramos flexíveis, folhas grandes repartidas em cinco lóbulos pontiagudos, flores esverdeadas em ramos e cujo fruto é a uva.

    Esta planta originária do Cáucaso e Ásia Ocidental já era colhida no Paleolítico. Na região do Egipto e da Ásia Menor já era cultivada para a produção de vinho desde o período neolítico. Os primeiros vestígios de cepos de vinha cultivada datam de há mais de 7000 anos! Pode-se dizer que a história da parreira e do vinho é tão antiga que quase se confunde com a história do próprio Homem! Actualmente é cultivada em todas as regiões de clima temperado do mundo.

    A uva é usada para produzir vinho, sumo, compota, passas ou é, simplesmente, comida crua. A uva para produção de vinho é apanhada em Outubro pelo que este é chamado o “mês da vindima”. O vinho é uma bebida alcoólica produzida por fermentação do sumo de uva. Este processo, que é realizado por leveduras (sendo a mais comum Saccharomyces cerevisae, as leveduras são seres vivos do Reino Fungi), consiste na transformação dos açúcares presentes nas uvas em álcool.

    Em Portugal existem cerca de 285 castas (variedades da espécie Vitis vinífera L.), o que permite produzir uma grande variedade de vinhos com personalidades muito distintas. Além disso uma casta de uva pode produzir vinhos diferentes consoante as condições em que é cultivada.
    As castas algarvias mais significativas são: Negra Mole e Castelão, que são castas tintas, e Boal Branco e Síria ou Codo, que são castas brancas.

    Sabia que...
    …A folha da videira é usada para combater a insuficiência venosa e a fragilidade capilar.
    …As uvas contêm um composto antioxidante e anticancerígeno pelo que desde a Antiguidade lhes são atribuídas diversas propriedades curativas.

  • Pepineiro
    Pepineiro

    Nome Comum: Pepineiro
    Nome Científico: Cucumis sativus


    Esta planta, possivelmente já conhecida da civilização egípcia, era cultivada pelos Gregos e Romanos, tendo sido estes últimos a introduzi-la na Península Ibérica. O pepineiro, que tem desenvolvimento rápido, é uma planta trepadeira herbácea anual, pertencente à família do melão, cujo fruto é o pepino. Entre nós semeia-se nos meses de Março, Abril e Maio, se a semente for colocada dentro de água durante 12 a 14 horas, antes da sementeira, a germinação ocorre com maior facilidade. Deve ser regada com regularidade necessitando mais da rega nas fases de floração e frutificação. É também na fase de frutificação, bem como na de desenvolvimento dos pepinos, que necessita de adubo, que deverá ser orgânico. Os pepinos devem ser colhidos antes das suas sementes estarem completamente formadas. O pepino, indispensável numa boa salada de tomate, tem inúmeros benefícios: é um óptimo tónico para o fígado, rins e vesícula, dá força aos cabelos e às unhas, é um eficiente diurético natural e ajuda a controlar a hipertensão arterial, entre outros.

    Sabia que...
    ... o pepino desfeito (com a varinha mágica) em água e mel serve para hidratar as mãos ressequidas por detergente?

  • Pimenteiro
    Pimenteiro

    Nome Comum: Pimenteiro
    Nome Científico: Capsicum annuum

    O pimenteiro é uma planta oriunda da América Central, da América do Sul e das Antilhas, onde é cultivada há milhares de anos. O seu fruto, o pimento, a única parte comestível desta planta, tem sabor marcante e é rico em proteínas, vitaminas A, B1, B2, B5 e C e sais minerais. Ao pimento são atribuídos alguns efeitos medicinais benéficos nomeadamente na prevenção das afecções do estômago, má digestão e prisão de ventre.


    Sabia que...
    ...o pimento contribui para a prevenção da obesidade e do cancro digestivo?
    Descubra mais numa visita à Quinta do Peral!

  • Tomateiro
    Tomateiro

    Nome Comum: Tomateiro
    Nome Científico: Solanum lycopersicum

    Esta planta, originária da América Central e do Sul, é uma herbácea trepadeira cujo fruto é o tomate. Muitos botânicos atribuem a origem do seu cultivo e do consumo do tomate à civilização inca. O tomate é rico em licopeno (pigmento que lhe dá a cor), vitaminas A e B e sais minerais, o seu valor nutricional é maior quando se encontra maduro e pode ser comido cru ou assado, ou cozinhado de várias formas, em pratos de carne e de peixe.
    No terreno onde se cultivam tomateiros não há necessidade de fazer rotação de culturas durante vários anos. Deixa-se a folhagem seca no terreno, cobre-se com composto orgânico e pode voltar a cultivar-se esta planta na época apropriada – o mês de Abril - na nossa região. Na horta, é apropriado associar ao tomateiro às culturas de cebola, cenoura, salsa e couve, enquanto a batateira, o rábano e o feijão são associações desfavoráveis. Curiosamente, a plantação de manjerico próximo dos tomateiros confere protecção e melhora o sabor do tomate.

    Sabia que...
    …alguns estudos comprovam a influência positiva do tomate sobre o cancro da próstata e no fortalecimento do sistema imunológico?

  • Tremoceiro
    Tremoceiro

    Nome Comum: Tremoceiro
    Nome Científico: Lupinus albus

    Provavelmente originária da Península Balcânica, esta planta é cultivada desde há 4000 anos, sendo a sua introdução na Península Ibérica atribuída aos Romanos.

    A semente desta leguminosa, o tremoço, é usada na alimentação humana e animal, sendo muito rico nutricionalmente, com altas quantidades de proteínas, fibras, fósforo, cálcio, vitaminas E e do complexo B, potássio, ácidos gordos insaturados e ferro. Tóxico devido ao alcalóide lupanina, que lhe confere um sabor amargo, o tremoço torna-se comestível depois de cozido e demolhado em água salgada, constituindo um aperitivo bastante apreciado no nosso país, conhecido mesmo pelo”marisco dos pobres” e com a vantagem de ser muito menos calórico…

    O tremoceiro é frequentemente usado como adubo natural em zonas agrícolas, dado que na sua raiz vivem bactérias que fixam o azoto ao solo, tornando-o mais produtivo, o que torna desnecessário recorrer a fertilizantes químicos.

    Sabia que...
    … O tremoço também é usado na indústria farmacêutica e a sua farinha é utilizada na produção de bolachas, pão, biscoitos e massas?

  • Trigo
    Trigo

    Nome Comum: Trigo
    Nome Científico: Triticum spp

    O trigo é o cereal mais importante no nosso país, e na maioria dos países europeus, sendo também o cereal mais produzido no mundo. O grão de trigo é usado principalmente na alimentação dos animais domésticos, na produção de
    cerveja, de pão e de massas alimentícias. O trigo também é plantado apenas como forragem para animais domésticos.
    O cultivo do trigo é originário da Síria, Jordânia, Turquia e Iraque e iniciou-se há cerca de 8000 anos.
    Um grão de trigo é constituído por casca, endosperma e gérmen. O endosperma, que contém a maior parte da proteína do trigo, constitui cerca de 75 a 80% do total do grão e é o constituinte da farinha branca. A casca, que contém grande quantidade de vitaminas e de celulose, envolve o grão. O gérmen é o embrião da semente, é normalmente retirado da farinha pois a gordura que contém prejudica a conservação da farinha.