Site Autárquico São Brás de Alportel

Itinerários arqueológicos

Visita à Calçadinha

As terras do Concelho de S. Brás de Alportel apresentam uma diversidade de paisagens, conjugando os encantos da Serra e do Barrocal (zona intermédia, entre a Serra e o Litoral, essencialmente calcária e com o relevo ondulado de baixa altitude), cujo passado deixou uma importante e peculiar herança cultural. Uma diversidade de locais aprazíveis oferece ao visitante um refúgio de beleza natural, proporcionando-lhe a oportunidade de desfrutar de uma experiência inédita que esta região consagra à sua passagem.

A herança legada pelas sucessivas épocas reveste-se de grande importância, fornecendo-nos uma mais valia cultural para a História do Concelho. Preserva um diversificado e importante património histórico-arqueológico, desde a Pré-História à época Moderna–Contemporânea, onde se destacam os vestígios de uma calçada de origem romana e uma rede de povoamento de época islâmica que marcam a evolução da presença humana na região. Ambos são fragmentos do nosso passado colectivo e constituem um património arqueológico insubstituível que importa salvaguardar, estudar, valorizar, proteger e divulgar.

Conscientes da importância cultural deste legado propomos–lhe:

  • Percursos de Arqueologia.

Os percursos que lhe sugerimos surgiram como corolário de um conjunto de trabalhos arqueológicos desenvolvidos na última década. Inseridos num contexto de conjuntos de paisagens/ património arqueológico, nasceu a aspiração de mostrar como este Concelho, com a sua especificidade, foi desde épocas recuadas profundamente humanizado. Encontrando-se ainda pleno de pormenores interessantes pelo que merece ser percorrido com toda a atenção.

  • Barrocal

    A partir do Centro da Vila de São Brás de Alportel deve seguir pela E.N. 270 em direcção a Loulé. Ao Km 4 vire à direita para S. Romão. No final da pequena subida encontra-se a Ermida de S. Romão, um interessante exemplar da arquitectura religiosa rural de finais do século XVI, onde foi encontrada no século XIX, por Estácio da Veiga, um monumentofunerário, em forma de ara, trabalhado nas quatro faces, que apresenta em relevo um prato (pátera), um jarro (urceus), uma lua (crescente) e uma inscrição a Cecília Marina.
    Retome o percurso, em direcção ao Alportel, até encontrar sinalética indicativa para Vale da Corte. Percorra cerca de 8 km até à Ribeira das Mercês e depois de a transpor por uma passagem calcetada, vire à direita e continue até ao asfalto.
    Este vale foi ocupado em época Romana, Medieval Islâmica e Cristã, pelo que ficou associado a uma lenda cuja personagem era uma princesa denominada Branca Flor.

    Prossiga pela estrada asfaltada atravessando o sítio de Juncais, passe o arco para o Alportel e continue no sentido Parises/Javali. No cruzamento avance para Almargens, depois para a Tareja, onde deverá inverter a marcha e seguir para a Fonte do Bico Alto. Aí, corte à direita no sentido de Mealhas. Continue em frente até chegar a um cruzamento onde deverá cortar à esquerda até à povoação. Dentro de Mealhastome sempre a sua esquerda até chegar ao Vale de Mealhas, percorrendo-o por uma estrada/caminho Municipal até ao Bengado.
    Nesse percurso, a ocupação humana ascende à Pré-História e também existem vestígios arqueológicos de exploração mineira desde a época romana.

    Percurso pelo Barrocal

    No Bengado, transponha a pequena ponte e suba até à E.N. 270. Corte à esquerda, como se fosse para Tavira. No limite do Concelho (assinalado por uma placa) deverá virar à direita em direcção ao Vale do Desbarato. Percorridos cerca de 400 metros, siga pelo primeiro caminho à direita para a Mesquita Baixa e continue no sentido da Fonte da Mesquita. Sem mudar de direcção chegue ao sítio de Estação, onde encontra novamente a E.N. 270, à esquerda regressa à Vila de S. Brás de Alportel.
    O vale percorrido caracteriza-se por uma forte presença islâmica. Ainda hoje o topónimo Desbarato mantém a memória da célebre batalha do Bisbarat assinalada na Crónica da Conquista do Algarve. A batalha ocorreu no século XIII entre as tropas cristãs de D. Paio Peres Correia e os muçulmanos.

    Mas não fique por aqui! Muito mais há a descobrir em S. Brás de Alportel.

    Parta rumo aos pitorescos lugares de Cova da Muda, Javali, Parises, Cabeça do Velho e Lajes, onde o enquadramento paisagístico é de grande beleza, merecendo, só por si, uma visita demorada.

  • Centro Histórico

    Este percurso inicia-se com a visita ao Centro Histórico de S. Brás de Alportel, às suas ruas estreitas, passando pela Igreja Matriz, cujas origens podem remontar ao século XV. Siga em direcção ao Antigo Palácio Episcopal, ex-residência de veraneio dos Bispos do Algarve, cuja génese ascende a finais do século XVI. Da primitiva construção restam actualmente um Jardim e uma fonte com oito bicos. Visite o Museu Etnográfico do Trajo Algarvio, inserido num edifício construído em finais do século XIX, ao gosto tardo-romântico, no qual se encontram várias colecções expostas: de veículos tradicionais, da escultura popular religiosa, o núcleo da cortiça e a colecção do Trajo Algarvio que merece destaque.

    No Centro Explicativo e de Acolhimento encontrará a interpretação e explicação da “Calçadinha” e algum do espólio recolhido no âmbito dos trabalhos de arqueologia. A partir daqui poderá descer à “Calçadinha”, símbolo por excelência desta vila algarvia. A cerca de 400 metros, ladeado por valados de pedra da região, chegará ao troço A. No final deste, siga por uma passagem inferior e depois pelo caminho de terra batida/ asfaltada até ao troço B.

    Percurso pelo Centro Histórico